skip to Main Content
Limite De Geracoes Para A Cidadania Italiana

Limite de gerações para a cidadania italiana? Entenda o Decreto Salvini

O limite de gerações para a cidadania italiana ‘iure sanguinis’ volta ao à pauta na Itália e,  segundo a agência AdnKronos esse limite será a segunda geração, conforme matéria publicada hoje ao tratar de um decreto que teria sido formulado pelo ministro do interior da Itália, Matteo Salvini, cujo texto estaria prestes a ser apreciado pelo Conselho de Ministros da República, presidido por Giuseppe Conte.

Você pode visualizar o texto aqui, sendo que o conteúdo que interessa a nós está nas páginas 3 e 4.

Trata-se do esboço de uma proposta a ser apresentada em breve ao congresso italiano.

O que contém o texto sobre o limite de gerações para a cidadania italiana?

De acordo com o texto, entre as medidas adotadas, o decreto “incide sobre o reconhecimento da cidadania ‘iure sanguinis’ que atualmente não coloca limites geracionais e que, nos últimos anos, determinou um incremento exponencial de pedidos” limitando “a transmissão da cidadania aos descendentes em linha direta de segundo grau que possam documentar o ‘status civitatis’ italiano de seu ascendente”.

A maior parte do texto trata de normas sobre permanência de estrangeiros em geral (“permesso soggiorno umanitario”) e assuntos correlatos, que têm tomado grande parte dos debates políticos na Itália dos últimos tempos. Mas no item III, o documento que a agência publica trata sobre questões de cidadania, alterando disposições da lei número 91, de 5 de fevereiro de 1992, que fixa normas sobre a cidadania italiana.

O texto também altera o período para apreciação dos pedidos de cidadania por casamento, que passa de 2 anos para 4 anos, o que muito interessa àqueles que estão em vias de solicitar a naturalização pelo casamento junto ao Ministero dell’Interno.

Outro ponto interessante do texto é a abertura para a transmissão da cidadania pelo lado materno antes de 1948, de maneira que se estaria a dar com uma mão, tirando com outra. Essa alteração se deve às inúmeras ações judiciais de reconhecimento pelo lado materno, que levam à condenação constante do Estado Italiano no que diz respeito a esse assunto específico.

Qual é tecnicamente a definição do texto e quais as possibilidades?

Trata-se de um esboço de um decreto que pode ser apresentado ao congresso italiano. O decreto, neste caso, é muito similar à medida provisória no Brasil.

A grosso modo, o chefe do executivo, no caso Giuseppe Conte, poderá levar ao congresso italiano o referido decreto para apreciação pelos parlamentares.

Enquanto o texto não é votado no congresso, o decreto tem valor de lei, e portanto, eficácia imediata. Ao final de 60 dias, são 3 as possibilidades:

a) O texto é aprovado na sua íntegra;

b) O texto é aprovado, contudo com modificações pelo congresso;

c) O texto é rejeitado, e retorna-se aos efeitos anteriores ao decreto.

Quais são os efeitos em caso de aprovação do texto?

Em caso de aprovação, e este é o pior dos cenários, levando em conta que muita coisa pode acontecer no parlamento italiano de maneira a não aprovar o texto, há 3 possíveis interpretações:

A primeira é no sentido de que como o artigo 1º da Lei 91/1992 (lei da cidadania italiana) não terá o seu conteúdo alterado, de maneira que em que  pese o Executivo italiano esteja com esse objetivo, terá atingido o artigo errado para tal limitação, uma vez que atinge na verdade o artigo 17, que estabelece as diretrizes para o procedimento de “aquisição” da cidadania de descendentes de cidadãos italianos que por algum motivo perderam ou renunciaram e não do reconhecimento.

De todo modo, como se trata de um esboço, basta alterar o texto final que será apresentado, uma vez que a vontade de limitar as gerações no texto está clara, ou seja, é apenas um erro técnico facilmente contornável.

A segunda interpretação, é de que mesmo com essa restrição impactando o artigo 1º da Lei, os efeitos seriam apenas para os nascidos a partir deste momento. Ou seja, uma vez todos os já nascidos cumprem os requisitos da Lei 91/1992, já são de fato cidadão italianos, portanto o processo de reconhecimento dessas pessoas seguiria os mesmos ritos de hoje.

A terceira, é que poderia-se aplicar as restrições desde já, uma vez que o não haveria de fato um direito adquirido dos descendentes, mas apenas uma expectativa de direito a ser exercido, analisado e validado pelo oficial de stato civile.

De todo modo, pelo teor do texto apresentado, não está claro se o limite de geração seria a partir do dante causa (italiano nato na Itália emigrado ao exterior) ou não. Assim, a depender do que será definido pelo texto, poderia ocorrer ainda a possibilidade do reconhecimento da cidadania italiana de maneira escalonada, por netos do italiano nato na Itália, e depois dos seus filhos, netos, etc. tal como ocorre hoje em Portugal, por exemplo.

Tudo isso passa por interpretações jurídicas, que obviamente são extremamente subjetivas e nesse momento sequer merecem ser valoradas antes de uma provocação formal pelo chefe do conselho de ministros, Giuseppe Conte.

E agora? O que fazer?

Não há razão para desespero nesse momento. Como vimos acima, são diversas as possibilidades que não necessariamente a aprovação do texto como proposto.

De todo modo, a recomendação é sempre de avançar assim que possível, mas sem atropelos, na preparação dos documentos e ida para a Itália para fazer o seu processo. Não acreditamos no limite de gerações para a cidadania italiana nesse momento, mas as leis podem sim ser mudadas futuramente e é sempre bom não deixar a possibilidade passar.

Atualização:

Como esperado, o decreto na forma vazada sequer será apresentada ao parlamento. O senhor que dá a notícia se chama Nicola Occhipinti, que já foi Cônsul em Porto Alegre e trabalha juntamente com Ricardo Merlo como subsecretário no Ministério do Exterior da Itália.

blank
Back To Top

Siga nosso Instagram

Fique por dentro das últimas novidades da cidadania italiana, participe das nossas enquetes e saiba mais sobre a vida na Itália, viagens e Europa em geral.

Send this to a friend